Como lidar com o medo?

O medo é necessário ao ser humano, pois lembremos que o medo nos faz ficar mais atentos, nossos sentidos ficarem todos em alerta e ele tem sido necessário para nossa sobrevivência. Uma pessoa que não tem medo de nada pode se machucar muito, pois pode colocar-se em sério risco sem proteção nenhuma justamente por não ter medo, podendo morrer. Por isso, ele é necessário a todos nós. Porém, quando é exacerbado, traz consigo o pânico.

O medo (aquilo que nos guarda, que nos protege, que é benéfico) é como um pequeno despertador em nossa cabeça, que toca uma campainha frente a uma situação específica: medo, medo, medo, cuidado, cuidado, cuidado!…. Mas de repente, se essa campainha fica com defeito e dispara um alarme o tempo todo, como se tudo fosse assustador e pavoroso, pode fazer com que as pessoas acabem se trancando em casa, deixando de ir a lugares ou de fazer coisas por conta do medo. “Tenho medo de mim, tenho medo do mundo”. E é um medo tão grande que paralisa. Isso se dá porque a campainha do medo, o sinalizador, disparou, não está funcionando bem e em alguns casos é necessária a ajuda de um Psiquiatra, de um Psicólogo e, eventualmente, o uso de medicação.

No entanto, faz-se necessário entender como é esse medo para não termos medo dele, pois faz parte da vida. Onde é que ele começa? Em que parte do corpo? Sente arrepio? É quente? Frio? Seu coração dispara? Transpira? Como que isso se manifesta no seu corpo e como é que você respira o seu medo?

Observe a sua volta: é necessário o medo nesse momento onde você está? Se não for, perceba que é a sua campainha que está desregulada. Então respire, perceba o que o causa. Não é fácil, mas é um treinamento incessante. Primeiro reconheça que o medo é natural e necessário. Há muitos cantores e atores que sempre dizem que antes de entrar no palco, eles ficam com medo, mas esse medo, essa pequena contração no baixo abdômen, é que vai fazer com que ele se manifeste melhor ainda.

Não querer errar, querer sempre acertar, ter medo de falhar: tudo isso faz parte de nós, não é errado. Há muitos medos diferentes, mas temos que reconhece-lo como parte de nós mesmos. Numa história budista, existiu um homem que numa noite, quando foi dormir, já deitado, olha para o lado e na sombra da lua que vem pela janela, ele vê uma cobra no quarto. Ele passa a noite em claro, quietinho, morrendo de medo de que a cobra o ataque, mas quando chega a luz do sol, vê que era apenas um tronco. E assim somos nós, muitas vezes temos medo daquilo que não vemos com clareza, e procurar ver com clareza afasta o medo, porque se vê, se percebe exatamente o que é.

Mas se for uma cobra (seu medo), não durma com uma cobra peçonhenta, porque não será bom nem pra você nem para a cobra. Há diversas maneiras de se pegar uma cobra. Chame alguém que a pegue, que a tire do quarto ou que tire o seu veneno, mas não fique convivendo com aquilo que é assustador para você, procure afastar isso.

A luz da verdade é o que faz com que nos libertemos de muitos medos.

Fonte: #maratonaMonja

Colunista:

Cláudya Lima

Psicóloga

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Caso tenha alguma dúvida sobre o assunto, nos envie suas dúvidas clicando aqui.


“A felicidade está sempre no nosso caminho, às vezes nós é que não sabemos onde procurar”. Osho