Férias: O Que Fazer Com As Crianças Neste Momento?

Além de ser um período de intensa preocupação, medos e angústias, os pais têm a missão do entretenimento das crianças e com muito mais responsabilidade: não deixar de trabalhar com a estimulação da aprendizagem.

Se soubermos valorizar esse tempo, este poderá ser os dias mais incríveis e inesquecíveis da vida dos nossos filhos. Lembremos da nossa infância, época em que nossos pais trabalhavam mais próximos e a maioria das mães, perto da totalidade, estavam em casa com as crianças. Estas eram as responsáveis, em porcentagem maior, pela educação dos filhos. A estimulação, os jogos, as brincadeiras ao ar livre, os momentos de participação das atividades rotineiras, como limpeza e organização dos brinquedos e da casa, participação na realização de receitas e comidas gostosas, as contações de histórias e “causos”, além de nos terem marcado, nos incentivaram e ensinaram valores, atitudes e procedimentos para a vida.

Não havia creche ou préescola, ou pouquíssimas, porque elas, as mães, eram do lar e a educação primária fazia parte do selo matrimonial. Ao pai competia trazer o alimento e a manutenção geral da casa, o que não o impedia também de brincar, conversar, fazer refeições juntos e zelar pela integridade física e mental desses seres.

Bom, quanta mudança! E hoje estamos diante de uma situação paralisante, onde o isolamento social nos torna mais próximos em casa, querendo ou não são momentos de interação que faltavam. Mas aí vem o dilema: o que fazer com as crianças, durante todo esse tempo, sem poder levá-los aos parques, shoppings, teatros, etc.?

O que fazer? Respire fundo, conte até dez e vamos praticar a resiliência, de modo a deixar marcas positivas e lembranças doces dos momentos em família, depois que todo o furacão passar. E vai passar!

Talvez as famílias estejam mesmo precisando desse exercício: praticar a solidariedade, a paciência, a valorizar a vida. Estávamos tão acelerados que mal pensávamos nesses valores. Ufa!  Temos que parar e ver que não somos tão poderosos assim e para cuidar dos nossos e da nossa vida, precisamos repensar!

Comecemos com as nossas crianças: Quando tivemos a oportunidade de brincar juntos? Quando foi que tivemos tempo de observar nossos filhos brincando, de olhar nos seus olhos para responder às perguntas, respeitando seu tempo, a importância que dão às questões tão simples? E já paramos para pensar que nessas pequenas coisas é que estão a maior felicidade?

De que vale todo o bem material se não tivermos a cura para o vírus? Portanto, após essa reflexão, penso que está na hora de registrarmos aqui algumas ideias de brincadeiras legais que estimularão nossos filhos, que encaminharão à outras atividades para não usarem seu tempo apenas no computador, tv ou celular, pois através da ludicidade, do contato, do olho no olho, do fazer junto e do diálogo possamos enriquecer o vínculo, enquanto a aprendizagem também será trabalhada.

Dicas que podemos adaptá-las conforme a idade e pesquisar como fazer, na internet:

1) Procurar receita de massinha e fazer a própria (Estarão pesquisando, lendo ou acompanhando a leitura, percebendo medidas e ainda brincarão muito).

2) Criar uma cápsula do tempo. Usar uma garrafa e colocar dentro o que deseja daqui 3, 5 anos, por exemplo. Lacrar e guardar em algum lugar sem alcance (colocar a data que será aberta no lado externo da garrafa).

3) Ensinar brincadeira antiga, da sua época ou da época dos avós (Ativa a memória, as lembranças e a cultura. Importante que eles percebam que vocês também foram crianças e gostavam de brincar).

4)Fazer um relicário das férias, para preservar a memória desses dias (lista dos melhores momentos, brincadeiras e realizações): registro das histórias contadas, das brincadeiras aprendidas, das receitas feitas, etc e colocar em um recipiente: um pote ou caixa de sapato e guardar para lembrar daqui alguns anos. (Isso levará a criança a escrever ou se ainda pequena, terá um modelo leitor, um escriba, percebendo a importância do registro para marcar e relembrar épocas).

5) Na cozinha, fazer uma gincana de pratos diferentes (Cada pessoa pesquisa, faz ou ajuda a fazer e no final, votam, incentivando a melhorar na próxima).

6) Fazer biscoitos, procurar e seguir a receita, isso trabalhará medidas e proporções, independentemente da idade da criança.

7) Confeccionar fantoches com papel, papelão, retalhos e fitas, montar histórias novas ou daquelas que já conhece (trabalha memória, criatividade, etc).

8) ) Fazer cineminha ou teatro para usar os fantoches, usar caixas de papelão, de sapatos, etc.

9) Confeccionar uma teia de aranha de fita crepe, para brincar de jogar bolas de papel ou bolinhas de plástico. Fazer a contagem de pontos de quem conseguir colar mais na teia de aranha.

10) Desenhar uma pista de corrida no papel pardo ou colar fita no chão da sala, montando semáforos com caixas de remédio, criando ruas de mão única e mão duplas, confeccionando maquetes das casas e etc. Que tal montar uma maquete do seu bairro? Além de educar para o trânsito, estimulará a noção espacial e a brincadeira será muito divertida.

Além, é claro, de contação de muitas histórias, registros dos mesmos através de desenhos e pinturas; as crianças gostam muito. Ou apenas usando a criatividade para criar e contar um outro final para a história. A criança desenvolverá a oralidade: para isso é necessário montar frases com coerência e coesão. Dicas que podem ser dadas com muito carinho, para que a criança não passe a ter medo de falar em público, por exemplo.

Ficaria escrevendo muitos dias, para ajudá-los a passar dias felizes e de muita aprendizagem com seus filhos. Porém essas são apenas para incitar os pais a ajudarem os filhos nessa época. E tenha certeza que serão os dias mais incríveis e inesquecíveis da vida deles!

Bom proveito!

Colunista:

Iracy Carmanini

Psicopedagoga Clinica e Institucional;
Especialista em educação especial, deficiências auditiva e cognitiva, Alfabetização e Letramento.

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Caso tenha alguma dúvida sobre o assunto, nos envie suas dúvidas clicando aqui.


O Psicopedagogo atua no sentido de prevenir e/ou detectar dificuldades de aprendizagem, promover sugestões metodológicas e educacionais de forma terapêutica: seus padrões normais e patológicos, considerando a influência do meio, da família, da escola e da sociedade.